terça-feira, 27 de abril de 2010

Descobertos organismos que vivem sem oxigénio

Cientistas italianos e dinamarqueses descobriram nas profundezas do Mar Mediterrâneo, três espécies de animais pluricelulares que não necessitam de oxigénio para sobreviver.
As espécies animais, da família da Loricifera, vivem a três mil metros de profundidade, têm menos de um milímetro de comprimento e não necessitam de oxigénio para viver, o que contraria o que se pensava conhecer sobre os limites da vida.

Os organismos não possuem mitocôndrias, os organelos celulares responsáveis pela conversão de açúcar e oxigénio em energia, ao contrário de todos os outros animais, fungos e plantas que se conheciam até hoje. A produção de energia destes organismos é a partir de reacções enzimáticas.

Até ao momento, as únicas criaturas conhecidas capazes de viverem em ambientes sem oxigénio eram os vírus, as bactérias e alguns microrganismos unicelulares. Esta descoberta foi feita por Roberto Danovaro, da Universidade Politécnica de Marche, na região italiana de Ancona, durante três expedições às costas meridionais da Grécia. Foi divulgada na revista científica Nature.




Jornal Digital 2010-04-08

segunda-feira, 26 de abril de 2010

NASA divulga imagens inéditas da actividade solar


A NASA divulgou imagens inéditas do Sol, captadas pelo Observatório da Dinâmica Solar (SDO), sonda que lançou em Fevereiro para estudar a actividade solar.
As imagens captadas pelo SDO mostram grandes explosões e arcos de gases. Espera-se que a sonda da NASA consiga ajudar a compreender a actividade solar e a influência que ela tem na Terra. A sonda tem a particularidade de conseguir capturar o Sol na sua totalidade e não apenas uma secção.


Jornal Digital 22-4-10

sábado, 17 de abril de 2010

SENTIR... um novo blog nasceu ! ! !

*************************************************************

http://dalilaacalves.blogspot.com/

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Erupção do Vulcão Fimmvorduhals na Islândia é a maior dos últimos 200 anos



O vulcão entrou dia 21 de Março em erupção no sul da Islândia, forçando mais de 500 pessoas a abandonar a zona.
A erupção começou imediatamente depois da meia noite na região do glaciar de Eyjafallajokull.
As últimas erupções na zona deste glaciar remontam a 1821 e 1823.

JN 16 de Abril
A OMS avalia riscos da nuvem de cinzas vulcânicas


A Organização Mundial de Saúde está a avaliar a perigosidade das cinzas que desde há dois dias são lançadas por um vulcão da Islândia.

"Não sabemos qual pode ser o risco. Segundo directivas de 2005, algumas das partículas das cinzas de um vulcão são perigosas e podem afectar os pulmões", disse, em conferência de imprensa, Daniel Epstein, porta-voz da OMS.

"Sabemos que são potencialmente nocivas, mas temos de analisar a situação com maior profundidade", explicou.

O porta-voz acrescentou que as cinzas estão muito altas na atmosfera e que não devem temer-se consequências nocivas enquanto estiverem acima das nuvens.

Quando estiverem mais perto da terra, as pessoas com asma ou outras doenças respiratórias podem sentir sintomas de falta de ar pelo que devem ficar em casa, assinalou.

Mais de 50 por cento do tráfego aéreo de hoje, sexta-feira, na Europa deve ser anulado devido às nuvens de cinzas vulcânicas formadas pela erupção de um vulcão, no glaciar Eyjafjllajokull, no sul da Islândia.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

ÁRVORES - Serra de Sanjurge





As árvores e os livros


As árvores como os livros têm folhas
e margens lisas ou recortadas,
e capas (isto é copas) e capítulos
de flores e letras de oiro nas lombadas.

E são histórias de reis, histórias de fadas,
as mais fantásticas aventuras,
que se podem ler nas suas páginas,
no pecíolo, no limbo, nas nervuras.

As florestas são imensas bibliotecas,
e até há florestas especializadas,
com faias, bétulas e um letreiro
a dizer: «Floresta das zonas temperadas».

É evidente que não podes plantar
no teu quarto, plátanos ou azinheiras.
Para começar a construir uma biblioteca,
basta um vaso de sardinheiras.


Jorge Sousa Braga

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Uma das actividades do "Laboratório Aberto de Biologia"

ECO-GASTRONOMIA

Utilização da energia solar para cozinhar um ovo.
Este forno solar funciona com uma única fonte de energia livre, o sol, por efeito de concentração e efeito de estufa acumulados.