quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Bicentenário do Nascimento de Charles Darwin


Fundador da biologia moderna, revolucionou a percepção da vida.
Charles Darwin, de que se comemora este ano o bicentenário do nascimento, revolucionou a percepção da vida na Terra e fundou a biologia moderna ao defender que todas as espécies descendem de um antepassado comum.
Essa teoria da evolução está exposta no seu livro fundamental, 'A Origem das Espécies', de que se celebra também em 2009 os 150 anos da sua publicação.
Nascido a 12 de Fevereiro de 1809 em Shrewsbury, Inglaterra, numa família abastada, foi pressionado pelo pai, Robert Darwin, médico, a enveredar pela mesma carreira, embora tendesse mais a seguir o exemplo do avô, Erasmus Darwin, um conceituado naturalista no seu tempo.
Dava pouca atenção às aulas, era traquinas e preferia observar a Natureza, caçar e coleccionar insectos. É dessa altura uma frase do pai que ele recorda na sua autobiografia: "Só gostas de cães, de andar aos tiros e de apanhar ratos, vais ser uma desgraça para ti próprio e para toda a tua família".Em 1825 começa a estudar Medicina em Edimburgo, mas as aulas aborrecem-no e uma operação a uma criança sem anestesia, como então era comum, causa-lhe horror e leva-o a desistir passados dois anos.
O pai manda-o então estudar Teologia na Universidade de Cambridge, para fazer dele um sacerdote. É então que conhece John S. Henslow, um dos professores mais populares e revolucionários da época, que se tornou seu mentor e amigo, e foi determinante para a sua carreira de cientista.
Foi ele que o recomendou a Robert FitzRoy, capitão do "HMS Beagle", que procurava um companheiro para uma expedição cartográfica de dois anos à volta do mundo.
O Beagle zarpa em 1831, levando a bordo Darwin então com 22 anos. A viagem acaba por durar cinco anos e, por motivos circunstanciais, começa e acaba em território português, já que a primeira escala foi na ilha de São Vicente, em Cabo Verde, hoje um país independente, e a última na ilha Ter
ceira, nos Açores.
Apesar dos seus enjoos no mar, Darwin viria a escrever entusiasmado que "a viagem do Beagle foi de longe o acontecimento mais importante" da sua vida.
As observações feitas durante a viagem persuadem-no pouco a pouco de que as espécies sofrem uma constante evolução, o que viria a constituir o cerne da sua teoria.
Preocupado com problemas de saúde que o afectaram durante toda a vida, pensa em casar-se e considera longamente os prós ("companhia permanente", "uma mulher simpática num sofá", "a mulher, esse espécime tão interessante" ou "melhor que um cão de qualquer modo") e os contras ("terrível perda de tempo"), com os primeiros a prevalecer.

Casa-se em 1839 com a prima Emma Wedgood, com quem terá dez filhos, e instala numa quinta em Downe, 30 quilómetros a norte de Londres, onde passa os últimos 40 anos da sua vida a estudar, a escrever, a fazer experiências e a corresponder-se com cientistas do mundo inteiro.
São conhecidas mais de 25 mil cartas de e para Darwin, algumas das quais com o naturalista açoriano Francisco Arruda Furtado.
Darwin morreu em 19 de Abril de 1882 aos 73 anos. Está enterrado na abadia de Westminster, em Londres, onde repousam também os restos mortais do físico Isaac Newton.
Nos últimos 150 anos, o pensamento darwinista foi completado com a contribuição da genética e mais recentemente através do novo desenvolvimento da biologia evolutiva
.





DNOTICIAS.pt Data: 12-02-2009

3 comentários:

Anónimo disse...

Temos de nos penitenciar!
Havíamo-nos zangado porque não notávamos estar a ser dada a devida importância a esta(s) efeméride(s),
Já em 2005 - Ano Mundial da Física - cá pelo «Puto» (o Mingotes sabe como se tratava outrora este «jardim»!)pouco, quase uma insignificância, se fez para recordar e dar a conhecer «o ti Alberto».
E a nossa penitência impõe-se por descobrirmos que, afinal, há mais quem se lembre de gente boa.

Anónimo disse...

Temos de nos penitenciar!
Havíamo-nos zangado porque não notávamos estar a ser dada a devida importância a esta(s) efeméride(s),
Já em 2005 - Ano Mundial da Física - cá pelo «Puto» (o Mingotes sabe como se tratava outrora este «jardim»!)pouco, quase uma insignificância, se fez para recordar e dar a conhecer «o ti Alberto».
E a nossa penitência impõe-se por descobrirmos que, afinal, há mais quem se lembre de gente boa.
Logo na altura não faltaram contestadores à Teoria da Selecção Natural e a quem Darwin respondeu, não a todos, pois das contestações «no número, muitas originaram-se de autores que não se deram ao cuidado de compreender o assunto».
Nos idos anos cinquenta do séc.XX tivemos um Professor de Zoologia que se dirigia aos alunos a perguntar-lhes, p.ex., «o aparelho digestivo da tua prima galinha», o «aparelho circulatório do nosso primo lagarto». E mandava-nos olhar para as unhas para vermos o que restava das escamas do nosso antepassado jacaré!
Só muito mais tarde é que entendemos a «maluqueira» do Professor.
Ainda andam por muito lado algumas sombras do Julgamento do Prof. Scopes, em 1925, no Tennessee.
Já vimos, e não cansamos de ver, as duas versões em filme.
Esperamos não perturbar os visitantes do Blogue nem, muito menos, a leitura do excelente texto.
Felicitamos a autora pela atenção a Darwin, e agradecemos-lhe a bondade em partilhar os seus conhecimentos com os seus alunos, com os visitantes e com este que, em cada lição que recebe, só dá conta da sua ignorância.

Tupamaro

meguimarães disse...

Obrigada por ter comentado esta minha postagem, com tanta pertinência.
Pegando nesta sua frase “Ainda andam por muito lado algumas sombras do Julgamento do Prof. Scopes, em 1925, no Tennessee” eu penso que sim !!
Pois, em Portugal o movimento Criacionista, apoiante da teoria da concepção inteligente, dá os primeiros passos com a criação de um Museu, que contesta a teoria da evolução o qual vai nascer em Mafra…
E assim vai indo o Mundo, às arrecuas…